Hospital de Campanha de Mauá tem cloroquina

Continua após a publicidade
blank

Na inauguração do Hospital de Campanha de Mauá, dentre outras características, o prefeito Atila Jacomussi (PSB) informou que a Unidade conta com o medicamento cloroquina. Alvo de muitas polêmicas em todo o mundo, o remédio tem duas vertentes dentro da comunidade científica.

A principal instituição médica que não defende o uso da substância, é a OMS (Organização Mundial da Saúde) dizendo que pode causar efeitos colaterais e não têm eficácia comprovada no tratamento da Covid-19. A organização também afirmou que a cloroquina e hidroxicloroquina, só devem ser usadas contra o novo coronavírus em ensaios clínicos.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

No entanto, existe uma linha de estudos que apoia o uso do medicamento, como por exemplo a AIFA (Agência Italiana de Medicamentos). Tanto que após pesquisas principalmente do diretor de Hematologia-Oncologia de Piacenza, Luigi Cavanna, apontarem cerca de 90% dos casos com a resposta positiva, a região noroeste do país já distribui o medicamento gratuitamente em farmácias, para infectados pelo Covid-19.

Hospital de Campanha

De acordo com o prefeito, em Mauá, o tratamento com a cloroquina será feito somente com orientação médica. Ainda, o hospital inaugurado no dia 28 de maio, é o único do ABC com laboratório próprio segundo a administração municipal.

Desde o dia 14 de abril, o Ministério Público investiga possíveis irregularidades na Unidade de Campanha. Bem como vereadores do município, que no dia 14 deste mês, protocolaram uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) na intenção de obter um posicionamento do Executivo sobre tais denúncias.

Deixe seu comentário