Câmara de Mauá impede criação de CPI para investigar Suzantur

Publicidade

A Câmara de Mauá barrou na sessão da última terça-feira (01), a criação de uma CPI para a investigação da Suzantur, empresa responsável pelo transporte público na cidade.

A proposta foi feita pelos vereadores Adelto Cachorrão (Avante) e Fernando Rubinelli (PDT), e surgiu após reportagens divulgadas que comprometiam a atuação da empresa no município.

A principal denúncia é sobre a falta de ônibus na cidade, que exige 248 ônibus mais a frota reserva. Atualmente, segundo um requerimento do dia 3 de maio enviado pela gestão de Alaíde Damo (PMDB), enquanto ainda estava no cargo de prefeita, a Suzantur operava com 223 ônibus.

Um total de 16 dos 23 vereadores da casa votaram contrário a instauração da CPI, alegando que os casos em que a Suzantur está envolvida, já estão sendo apurados pelo Ministério Público (MP), e por isso, não haveria necessidade da criação da CPI.

O vereador Adelto Cachorrão (Avante) relatou que a promotoria investiga somente a quantidade e a qualidade dos veículos colocados em circulação pela empresa, na CPI, outros fatos como calotes fiscais e uma suposta transação financeira envolvendo o vale- transporte seriam investigadas.

Apesar de rejeitada em votação, a CPI é instrumento de minoria assegurado pelo artigo 58º da Constituição Federal, que não aponta a necessidade de votação em plenário, mas a existência de requerimento contendo assinaturas de, no mínimo, um terço dos parlamentares, número que foi alcançado no documento, com oito assinaturas.

Deixe seu comentário