Na última quarta-feira (14), o governo de Cuba anunciou a saída do programa social “Mais Médicos”. Segundo nota oficial do governo cubano, o motivo do rompimento foram as declarações do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), “fazendo referências diretas, depreciativas e ameaçadoras à presença de nossos médicos”. Com a decisão, Mauá perdeu 33 médicos cubanos que atuavam no programa, sendo a cidade da região do ABC mais afetada.

Por meio de nota oficial, a Prefeitura reposicionará médicos concursados para atender nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e não descarta lançar um processo seletivo para contratar novos profissionais. De acordo com o governo municipal, será discutida “ações que preencherão a lacuna deixada pela ausência dos profissionais cubanos nas 23 UBS (Unidades Básicas de Saúde). Entre as propostas estudadas, está a reposição de médicos concursados em Mauá para preencher tal déficit. Também não está descartada a abertura de um processo seletivo, em esfera municipal, pela contratação de uma nova mão de obra no setor”.

A administração municipal,  ainda aguardará o desdobramento do edital lançado pelo Governo Federal para a contratação de mais médicos. “O edital por parte da União, publicado nesta terça-feira (20), para reposição de 8,5 mil profissionais do Mais Médicos e, enquanto o processo de contratação transcorre, tomará medidas próprias em prol da população mauaense.”

Deixe seu comentário