Depois da saúde, a segurança pública do município vem afundando devido a grave crise financeira que a cidade se encontra, estando em decreto de calamidade financeira desde julho deste ano. Após o recolhimento das viaturas pela Viação Santo Ignacio Ltda, a Guarda Civil Municipal (GCM) deve ter as motos recolhidas pela empresa  R&L Construtora e Comércio Ltda, que alegou falta de pagamento para tal medida.

Sem receber pelos serviços prestados desde março deste ano, a R&L Construtora e Comércio acumula sete notas fiscais em aberto junto à Prefeitura de Mauá. A dívida atualizada, segundo representantes, chega a R$ 165,2 mil. A empresa possui contrato com a Prefeitura de Mauá desde março de 2017 para locação de oito motocicletas. Orçado em R$ 283,2 mil por ano, o acordo foi prorrogado no início deste ano por 12 meses. Em junho, uma carta foi enviada ao secretário de Governo, Antônio Carlos de Lima, e já citava o possível recolhimento das motocicletas.

Por meio de nota, a Prefeitura disse que o município “já havia planejado a entrega das motocicletas por ter feito a opção de utilizar seus próprios equipamentos ao invés das locadas”. A administração, no entanto, não se pronunciou sobre a dívida e também não citou como fará a reposição da frota.

Fonte: DGABC

Deixe seu comentário